Quantcast
Channel: Canal Viva - Coluna do Nilson Xavier » Transas e Caretas
Mark channel Not-Safe-For-Work? cancel confirm NSFW Votes: (0 votes)
Are you the publisher? Claim or contact us about this channel.
0
  • Article 1
  • 2
  • 3
  • 4
Previous Article Next Article

“Escalada” e “O Salvador da Pátria”, dois sucessos que estrearam em janeiro

0
0

Pesquisando novelas que estrearam no início do mês de janeiro, me deparei com uma curiosidade. Três produções de autoria de Lauro César Muniz estrearam na primeira dezena do mês, em anos diferentes: “Escalada“, em 6 de janeiro de 1975, “Transas e Caretas”, em 9 de janeiro de 1984, e “O Salvador da Pátria”, em 9 de janeiro de 1989. Duas destas foram os maiores sucessos de Lauro na Globo: “Escalada” e “O Salvador da Pátria”.

Zanoni Ferrite e Tarcísio Meira em "Escalada" (Foto: CEDOC/TV Globo)

Escalada” foi a primeira trama de Lauro César Muniz no horário nobre da emissora. O novelista havia escrito apenas duas novelas das sete horas: “Carinhoso” (1973-1974) e “Corrida do Ouro” (1974). A trama narrava a saga de Antônio Dias (Tarcísio Meira), desde a juventude até a velhice, de vendedor de formicida a empresário da construção civil, abrangendo um período de 35 anos, passando por importantes fatos da História do Brasil, como a construção de Brasília. Era inspirada na trajetória do pai de Lauro, um imigrante português.

O protagonista dividia-se entre o amor de duas mulheres: Marina (Renée de Vielmond) e Cândida (Susana Vieira) – papel este que deu a Susana o status de atriz do primeiro time da Globo. A questão do divórcio (na história, entre os personagens de Tarcísio e Susana) foi amplamente discutida na época por intermédio da novela – a legalização do divórcio aconteceria dois anos depois. A novela sofreu com a ação da censura do Regime Militar. Apesar de a construção de Brasília ser retratada na trama, o nome do presidente Juscelino Kubitschek não podia ser citado, já que ele era considerado persona non-grata pelo Regime.

Escalada” é um dos maiores sucessos da Globo, de crítica e público. Uma produção esmerada, gravada ainda na fase em preto-e-branco. Um dos melhores papéis de Tarcísio Meira na TV e um grande momento de nossa Teledramaturgia. Lembro que era criança e assistia a essa novela com meus pais.

Lima Duarte e Lutero Luiz em "O Salvador da Pátria" (Foto: CEDOC/TV Globo)

O Salvador da Pátria” – escrita por Lauro César Muniz com a colaboração de Alcides Nogueira e Ana Maria Moretzsohn – era baseada num Caso Especial do autor: “O Crime do Zé Bigorna”. Lima Duarte viveu na novela praticamente o mesmo personagem: Zé Bigorna e Sassá Mutema eram muito parecidos. Sassá era um boia-fria analfabeto e simplório, acusado de ter matado a esposa. Tudo não passava de uma armação dos poderosos da cidade para encobrir um escândalo político. Ele é inocentado com a ajuda de sua professora Clotilde (Maitê Proença), com quem acaba vivendo um romance. Manipulado pelos poderosos, elege-se prefeito.

O entrecho político da trama revelou-se um problema para a novela. Era ano de eleições para Presidente da República (1989), em que Lula e Collor concorriam. De acordo com o autor, algumas pessoas do Governo viram na novela apologia à candidatura de Lula à presidência. Lauro teve que abandonar o aspecto político da trama e focar no policial. Foi quando o autor deu mais espaço aos personagens envolvidos com uma organização criminosa ligada ao narcotráfico.

O Salvador da Pátria” registrou uma das maiores audiências da década de 1980. A primeira fase da novela – em que Sassá Mutema era apenas um boia-fria – encantou os telespectadores, pela interpretação de Lima Duarte e pelo roteiro cativante de Lauro César Muniz. Infelizmente a boa proposta inicial não se manteve na segunda parte da história. Há de se destacar também o grandioso elenco, formado por Francisco Cuoco, Susana Vieira, José Wilker, Betty Faria, Luiz Gustavo, Lúcia Veríssimo, entre outros.

Transas e Caretas“, de 1984, foi uma novela das sete horas, uma comédia leve e despretensiosa. Eu gostava, mas não fez sucesso. Das novelas de Lauro César Muniz que acompanhei, minha preferida é “Roda de Fogo“, de 1986-1987. Gostava mais do que “O Salvador da Pátria” até.

Saiba mais sobre “Escaladano site Teledramaturgia.

Saiba mais sobre “O Salvador da Pátriano site Teledramaturgia.

E você, chegou a acompanhar alguma destas novelas? Comente! ;)

  • Article 1
  • 2
  • 3
  • 4

Latest Images